Visões Úteis

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Criações
Criações

Criações

Desde 1994, o Visões Úteis criou cerca de 40 espectáculos de teatro e criou também para outros suportes, designadamente audiowalks, pelo que apresentamos parte deste trabalho como Performance na Paisagem.

"Há dias em que, ao entrar pelo lado da sacristia, não consegue evitar a impressão de que os santos se moveram durante a noite."

O Visões Úteis é parceiro artístico do projecto "Viagens com Alma", promovido pela Diocese do Porto, no âmbito do qual criou e produziu um conjunto de trabalhos artisticos, nos quais se incluem estes audio-walks.


Os quatro mini audio-walks que integram o projecto Viagens com Alma, abriram ao público a 23 de Maio de 2011 nas localidades de Cête, Vairão, Paço de Sousa e Santo Tirso. Quatro percursos que cruzam a ficção com a arquitectura e o espírito de quatro mosteiros do Distrito do Porto, e que espelham diferentes relações entre o imaterial - a devoção humana -  e o material - os lugares, objectos e rituais que concretizam essa devoção.

Inspirados na experiência do projecto A Língua das Pedras, que desenvolvemos em 2010 para a comemoração dos 1100 anos da Ordem de Cluny, estes audio-walks foram ainda acompanhados de instalações e intervenções plásticas que sublinhavam a ligação entre este património local e a rede europeia de monumentos e sítios cluniacenses.

À semelhança de projetos anteriores, o realizador italiano Michele Putortì realizou uma leitura vídeo da experiência destes quatro audio-walks.

Os audio-walks "Viagens com Alma" estrearam a 23 de Maio de 2011 e mantiveram-se disponíveis ao público em Cête e Santo Tirso até ao final do mês de Julho, em Vairão até ao final de Agosto e em Paço de Sousa até ao final de Setembro de 2011.

Mosteiro de São Pedro de Cête
Largo do Mosteiro, Cête, concelho de Paredes
Coordenadas GPS: 41° 10' 50.790" N / 8° 22' 0.456" O

Mosteiro de São Salvador de Paço de Sousa
Largo do Mosteiro, Paço de Sousa, concelho de Penafiel
Coordenadas GPS: 41° 9' 57.398" N / 8° 20' 41.085" O

Mosteiro de São Salvador de Vairão
Largo do Mosteiro, Vairão, concelho de Vila do Conde
Coordenadas GPS: 41º 19' 58.25" N; 8º 40' 12.02" O

Mosteiro de Santo Tirso de Riba d’Ave
Largo Abade Pedrosa, Santo Tirso
Coordenadas GPS: 41° 20' 42.04" N / 8° 28' 18.03" O


Viagens com Alma - Audio-walks
39ª Criação Visões Úteis

Direcção e Texto
Ana Vitorino e Carlos Costa

Investigação e Colaboração na Dramaturgia
Ana Silveira Ferreira

Colaboração na escrita
Nuno Casimiro

Paisagem Sonora e Engenharia de Som
João Martins

Intervenções plásticas no percurso
Inês de Carvalho

Interface Digital
João Martins/entropiadesign

Vídeo
Michele Putortì

citações de Kaváfis e Yeats em versão de Maria Helena Guimarães

Interpretação
Adelaide Teixeira, Alice Costa, Ana Luisa Azevedo, Ana Vitorino, Bárbara de Sá, Carlos Costa, Leandro Havelda, Lígia Roque, Luis Ribeiro, Manuel Tur, Marina Freitas, Miguel Rosas, Pedro Carreira, Thomas Scanlon, Valdemar Santos

Coordenação Financeira
Pedro Carreira

Coordenação Técnica
Luís Ribeiro

Produção Executiva
Joana Neto

Assistência de Produção
Helena Madeira

Grafismo
entropiadesign a partir de imagem de Manufactura Independente

Produção
Visões Úteis para o Departamento de Bens Culturais da Diocese do Porto


Classificação Etária – M12
Duração - aprox. 25 minutos cada percurso

Última modificação em Terça, 07 Junho 2016 16:28

“Uma tarde de Verão, no meu quarto. A janela está aberta. Entra um cheiro estranho a folhas podres e asfalto a derreter-se ao Sol.”

Durante três meses convidámos o público a espreitar pelo buraco da fechadura de uma casa de mulheres. Pela primeira vez tivemos consciência, para o bem e para o mal, das dificuldades das grandes temporadas em espaços alternativos. Ao longo de 76 apresentações levámos este espectáculo a dez localidades e vimos como evolui um espectáculo desde a estreia em 1996 na Rua de S. João no Porto até à última apresentação no Auditório Carlos Paredes, Lisboa, em Abril de 1999. Ainda aconteceu outra novidade: foi até hoje o único espectáculo a que decidimos pôr termo. Não houve uma morte lenta em que nos apercebemos que já não conseguíamos colocar o espectáculo em cena por diversas razões mas sim uma decisão de o fazer pela última vez porque a carreira já ia longa e daí para a frente já não havia surpresa e risco, que é o que nos faz fazer teatro.

Estreou a 26 de Setembro de 1996. Além do Porto, foi apresentada em Aveiro, Almada, Évora, Braga, Guarda, Covilhã, Valongo, Coimbra, Beja, Glória do Ribatejo e Lisboa num total de 76 apresentações.

texto
Dacia Maraini

tradução
José Colaço Barreiros

encenação
Nuno Cardoso

cenografia
Eduardo Loio

figurinos
Preciosa Afonso

música
Albrecht Loops

desenho de luz
Nuno Cardoso

fotografia
Limamil

design gráfico
Eduardo Loio

registo vídeo
Tiago Rodrigues e Edgard Fernandes

operação de luz e som
Pedro Carreira

interpretação
Ana Vitorino e Catarina Martins

produção executiva
Ana Vitorino, Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:08

Entre Setembro de 2009 e Dezembro de 2010, a cidade de Cluny, em parceria com a Federação de Sítios Cluniacenses, comemorou os 1100 anos da fundação de Cluny e da Ordem Monástica que lhe deu origem. O Visões Úteis foi convidado a integrar estas comemorações com uma criação original, inspirada nos seus trabalhos na área da Arte na Paisagem, a que chamámos "A Língua das Pedras".

A ordem de Cluny foi a primeira “União Europeia”; espalhou-se por toda a Europa, colaborando em rede, e simultaneamente uniformizou comportamentos e deixou-se contaminar pela pluralidade com que contactou. Viveu, no entanto, numa constante dificuldade de gestão e uniformização do vasto território que possuía, e numa permanente tensão entre o apelo da espiritualidade e as exigências materiais da expansão territorial e da exploração económica.

 

O projecto que o Visões Úteis criou para Cluny, "A Língua das Pedras", procurou desenvolver algo como uma cartografia espiritual da herança de Cluny na Europa contemporânea e devolver à cidade os vestígios de um legado imaterial que há 1100 anos se dispersou por todo o continente. O projecto realçou a abordagem transdisciplinar e multimedial da comunicação que a Ordem desenvolveu e o modo como o próprio projecto da construção europeia encontra no projecto de Cluny um espelho fiel.

 

Em Fevereiro e Março de 2009 a equipa artística do Visões Úteis realizou duas viagens a quase 20 sítios pertencentes à rede cluniacense em França, Alemanha, Itália e Suíça. Atravessámos assim os doze caminhos que, na Idade Média, partiam da cidade de Cluny em direcção ao mundo.

 

Com o material recolhido ao longo destas duas viagens - sons, imagens, histórias - o Visões Úteis criou uma instalação multimédia que apresentou em Cluny de 7 a 12 de Setembro, integrando o evento “Toute l'Europe à Cluny”, encerramento oficial das comemorações dos 1100 de Cluny. Espalhada pelos 6 pisos da medieval Tour des Fromages, a instalação “A Língua das Pedras” compreendia vídeo, som, intervenções plásticas e um interface digital, e em 6 dias recebeu mais de 700 espectadores de todas as nacionalidades.

 

"A Língua das Pedras" é ainda a inspiração para o trabalho que o Visões Úteis desenvolve em Portugal até ao final de 2011 no âmbito do projecto “Viagens com Alma” , promovido pelo Departamento de Bens Culturais da Diocese do Porto.

 

A Língua das Pedras

37ª criação Visões Úteis

 

Uma co-produção Visões Úteis / Cluny 2010 : Ville de Cluny et Fédération des sites Clunisiens

 

Direcção

Ana Vitorino e Carlos Costa

 

Instalação Digital

entropiadesign/ João Martins com Ilustração e Animações de João Tiago Fernandes, Interpretação de Diogo Dória, Fotografias de Paulo Pimenta, Montagem Vídeo de Alexandre Araújo

 

Instalação e Intervenções Plásticas

Inês de Carvalho com Apoio à Construção de Daniel Teixeira

 

Instalação Vídeo

Michele Putortì com Interpretação de Ana Vitorino e Carlos Costa

 

Banda Sonora e Sonoplastia

João Martins

 

Tradução

Maria Antónia Reis

 

Coordenação Técnica

Luis Ribeiro

 

Assistência Técnica

Romaric Buté (Cluny 2010 / Association Paille à son)

 

Produção Executiva

Joana Neto / Mélanie Garziglia (Cluny 2010)

 

Assistência de Produção

Helena Madeira

 

Design Gráfico

entropiadesign a partir de imagem de Ricardo Lafuente

 

Produção

Visões Úteis / Cluny 2010

 

Apoios: Office de Tourisme de Cluny, Amis de Cluny

Última modificação em Quarta, 25 Janeiro 2012 17:27

“A minha mulher é a inteligência personificada. É mesmo mais inteligente do que eu. Em todo o caso é muito mais feminina. Dizem.”

Na primeira vez que trabalhámos com o João Paulo Seara Cardoso fizemos esta "tragédia da linguagem" como inicialmente lhe chamou Ionesco. Criámos um mundo sem nexo, com um texto sem nexo, feito com personagens sem nexo. Surpreendentemente no fim, pelo menos para nós, tudo tinha nexo. Era mesmo a tragédia da linguagem! Aprendemos que muitas vezes se fala muito e nada se diz… ou simplesmente não interessa.

Estreou a 30 de Maio de 1996 no Balleteatro Auditório no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Lisboa, Coimbra e Aveiro num total de 28 apresentações.

texto
Eugéne Ionesco

tradução
Luís de Lima

encenação
João Paulo Seara Cardoso

cenografia
João Paulo Seara Cardoso

figurinos
Preciosa Afonso

música
Albrecht Loops

desenho de luz
António Real

fotografia
Limamil

design gráfico
Eduardo Loio

registo vídeo
Balleteatro

operação de luz
Ana Vitorino

operação de som
Miguel Teixeira (BT)/Lucinda Gomes

interpretação
Alexandra Lobato, Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso, Patrícia Gonçalves e Pedro Carreira

produção executiva
Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:07
Pág. 11 de 14

O Visões Úteis é uma estrutura financiada

Ministério da CulturaDireção Geral das Artes

O Visões Úteis é membro

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes Cénicas IETM - International Network for Contemporary Performing Arts Anna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável