Visões Úteis

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Historial Espectáculos
Espectáculos

Espectáculos

“Não se pode voltar atrás agora. Já não tenho nenhuma razão para viver. Tenho de arranjar prateleiras novas.”

Depois do Centro Cultural de Belém nos ter convidado para com o João Paulo Seara Cardoso fazer esta peça ficámos de pé atrás. Não conhecíamos o autor e parecia um "trabalho por encomenda". Decidimos dar o benefício da dúvida, lemos o texto e ficámos imediatamente apaixonados pelo estilo corrosivo de Gregory Motton e a sua escrita sobre a tirania de uma sociedade sem tiranos, sobre o mundo actual de pequenas idiossincrasias e grandes questões que se diluem por serem muitas. Se com o João Paulo redescobrimos o prazer da liberdade e da loucura, com Gregory Motton aprendemos porque é que se estão a dar "todas as casas às baleias" e que "aquela coisa grande e azul do lado de fora da janela" é o céu. Primeiro contacto com o dramaturgo Gregory Motton, que veio a ser uma presença assídua no nosso trabalho.

Estreou a 18 de Setembro de 1997 no Balleteatro Auditório no Porto. Além do Porto, foi apresentado em Tondela, Coimbra, Aveiro, Lisboa, Braga e Vila do Conde num total de 27 apresentações.

texto
Gregory Mottton

tradução
Espirídia Viterbo, Jean Ann Burrows e João Paulo da Cunha Galvão

encenação
João Paulo Seara Cardoso

cenário
João Paulo Seara Cardoso e Eduardo Loio

figurinos
Judite Oliveira

banda sonora original
Albrecht Loops

desenho de luz
António Real

efeitos especiais
José Cunha

fotografia
Limamil

grafismo
Eduardo Loio

interpretação
Ana Vitorino, Carlos Costa, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

operação de luz
Paulo Rodrigues

operação de som
Catarina Martins

coordenação de produção
Lucinda Gomes

produção executiva
Catarina Martins e Lucinda Gomes

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:08

“Só há uma coisa que me faz confusão… são aquelas protuberâncias… aquilo são cornos ou raios de sol?”

Em Porto Monocromático quisemos viver o Porto e o seu quotidiano e durante sete meses lançámo-nos num processo de investigação em que algumas portas se fecharam e muitas se abriram. No final não sabemos se falámos do porto mas de certeza que ficámos a conhecer-nos melhor e que falámos de nós. Fomos igualmente confrontados com as dificuldades de uma criação colectiva, questionando como se conjugam a Ideia, o Processo e o Resultado Final de um espectáculo. Porto Monocromático foi acima de tudo um prisma de todos quantos nele participaram e um reflexo do colectivo.

Estreou a 9 de Maio de 1997 no Teatro Nacional São João no Porto onde teve 3 apresentações.

texto
Criação Colectiva

direcção
Nuno Cardoso

dramaturgia
Nuno Cardoso

apoio à dramaturgia
António Brás

cenografia
Eduardo Loio, Laia Oms e Limamil

música e sonoplastia
Albrecht Loops

desenho de luz
Nuno Cardoso e Rui Gonçalves

vídeo
João Nuno e Tiago Rodrigues

figurinos
Preciosa Afonso

concepção gráfica
Eduardo Loio

fotografia
Limamil

contra-regra
Pedro Guimarães (TNSJ)

operação de luz
Rui Gonçalves e José Carlos Coelho (ambos do TNSJ)

maquinistas
Jorge Silva, Carlos Biana, António Quaresma, Lídio Pontes, Filipe Silva e Joaquim Marques (todos do TNSJ)

interpretação
Alexandra Lobato, Ana Vitorino, Carlos Costa, Catarina Martins e Pedro Carreira

produção executiva
Lucinda Gomes

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:08

“Uma tarde de Verão, no meu quarto. A janela está aberta. Entra um cheiro estranho a folhas podres e asfalto a derreter-se ao Sol.”

Durante três meses convidámos o público a espreitar pelo buraco da fechadura de uma casa de mulheres. Pela primeira vez tivemos consciência, para o bem e para o mal, das dificuldades das grandes temporadas em espaços alternativos. Ao longo de 76 apresentações levámos este espectáculo a dez localidades e vimos como evolui um espectáculo desde a estreia em 1996 na Rua de S. João no Porto até à última apresentação no Auditório Carlos Paredes, Lisboa, em Abril de 1999. Ainda aconteceu outra novidade: foi até hoje o único espectáculo a que decidimos pôr termo. Não houve uma morte lenta em que nos apercebemos que já não conseguíamos colocar o espectáculo em cena por diversas razões mas sim uma decisão de o fazer pela última vez porque a carreira já ia longa e daí para a frente já não havia surpresa e risco, que é o que nos faz fazer teatro.

Estreou a 26 de Setembro de 1996. Além do Porto, foi apresentada em Aveiro, Almada, Évora, Braga, Guarda, Covilhã, Valongo, Coimbra, Beja, Glória do Ribatejo e Lisboa num total de 76 apresentações.

texto
Dacia Maraini

tradução
José Colaço Barreiros

encenação
Nuno Cardoso

cenografia
Eduardo Loio

figurinos
Preciosa Afonso

música
Albrecht Loops

desenho de luz
Nuno Cardoso

fotografia
Limamil

design gráfico
Eduardo Loio

registo vídeo
Tiago Rodrigues e Edgard Fernandes

operação de luz e som
Pedro Carreira

interpretação
Ana Vitorino e Catarina Martins

produção executiva
Ana Vitorino, Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:08

“A minha mulher é a inteligência personificada. É mesmo mais inteligente do que eu. Em todo o caso é muito mais feminina. Dizem.”

Na primeira vez que trabalhámos com o João Paulo Seara Cardoso fizemos esta "tragédia da linguagem" como inicialmente lhe chamou Ionesco. Criámos um mundo sem nexo, com um texto sem nexo, feito com personagens sem nexo. Surpreendentemente no fim, pelo menos para nós, tudo tinha nexo. Era mesmo a tragédia da linguagem! Aprendemos que muitas vezes se fala muito e nada se diz… ou simplesmente não interessa.

Estreou a 30 de Maio de 1996 no Balleteatro Auditório no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Lisboa, Coimbra e Aveiro num total de 28 apresentações.

texto
Eugéne Ionesco

tradução
Luís de Lima

encenação
João Paulo Seara Cardoso

cenografia
João Paulo Seara Cardoso

figurinos
Preciosa Afonso

música
Albrecht Loops

desenho de luz
António Real

fotografia
Limamil

design gráfico
Eduardo Loio

registo vídeo
Balleteatro

operação de luz
Ana Vitorino

operação de som
Miguel Teixeira (BT)/Lucinda Gomes

interpretação
Alexandra Lobato, Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso, Patrícia Gonçalves e Pedro Carreira

produção executiva
Carlos Costa, Catarina Martins, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:07
Pág. 10 de 11

Paulo Lisboa

Paulo Lisboa, actor e encenador brasileiro, foi um dos fundadores do Visões Úteis em 1994. O seu trabalho, o seu entusiasmo, a sua generosidade e o seu talento foram decisivos no arranque deste projecto...Ver mais

Paulo Lisboa

O Visões Úteis é uma estrutura financiada

Ministério da CulturaDireção Geral das Artes

O Visões Úteis é membro

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes Cénicas IETM - International Network for Contemporary Performing Arts Anna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável