Visões Úteis

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Criações
Criações

Criações

Desde 1994, o Visões Úteis criou cerca de 40 espectáculos de teatro e criou também para outros suportes, designadamente audiowalks, pelo que apresentamos parte deste trabalho como Performance na Paisagem.

“Uma companhia sonora para caminhantes solitários.”

Há uma mulher que parece estar a seguir as pistas. A registá-las e a ouvi-las, uma e outra vez. A agarrar-se a elas como um náufrago a uma prancha de madeira.
Se nos deixarmos inundar talvez consigamos perceber...

Um audiowalk no Porto

Ao longo do ano de 2001, com o projecto “Visíveis na Estrada através da Orla do Bosque”, o Visões Úteis abordou pela primeira vez a questão do espaço público, exprimindo em palco uma sentida apreensão em relação a este tempo de grandes cidades forradas a granito frio e vias rápidas, onde a palavra comunidade vai perdendo significado. Utilizámos impressões que nos foram transmitidas por pessoas como o arquitecto Daniel Libeskind (que ainda antes do 11 de Setembro dizia que um empresário instalado no cimo de uma torre espelhada de Wall Street imaginava-a indestrutível, como um romano imaginaria indestrutíveis as grandiosas obras do seu império) ou o cineasta Theo Angelopoulos (que avisava: Todos os Impérios caem quando se tornam arrogantes).

Já no início de 2002, no texto “Um Monólogo” de Gregory Motton, que levámos à cena como parte do espectáculo “Celebração”, a reflexão estendeu-se à arrogância com que o Homem trata o que a História lhe lega, julgando-se melhor só porque hoje está vivo.

O desenvolvimento destes temas, a sua ligação intrínseca, trouxe-nos a Coma Profundo, um projecto que tenta reflectir sobre o modo como lidamos com a morte do homem e a morte do espaço, ou seja, como lidamos com a nossa memória individual e colectiva.

Atravessamos um espaço como um local utilitário, ignorando, activa ou passivamente, que ele foi parte da vida de milhões de homens antes de nós. Desprezamos a vida, o trabalho, os erros de todos os que nos precederam na vã convicção de que somos melhores, faremos melhor. Desprezamos a memória dos homens mortos. Desprezá-los ajuda a adiar a consciência da nossa própria efemeridade, da nossa própria capacidade de errar, da possível futilidade de todas as nossas grandes certezas e aspirações. Vamos esquecendo e construindo de novo, cada vez maior e mais alto, para que a marca agora seja indelével, como se a História a nós não nos apanhasse. Vamos fazendo planos, e Deus vai-se rindo.

Coma Profundo cumpre-se com a confrontação directa, física, do público com a cidade que habitamos e sobre a qual reflectimos. Definimos um percurso numa zona antiga da cidade do Porto. Antiga num sentido muito diferente do pitoresco de um guia turístico. Aqui não há um microcosmos histórico conservado para deleite voyeurístico. Pensamos que estamos ainda a mover-nos na cidade que habitamos e de repente deixamos de ver pessoas, deparamo-nos com elementos que parecem fora do contexto, cuja utilização ou razão de existir nos escapa. Os carros investem por ruas onde parecem não caber. Uma igreja permanece de portas abertas e bancos vazios, como um homem de braços estendidos para acolher um amigo que já não vem. Quase nos convencemos que não habita ali ninguém, não fosse o som de rádio que ocasionalmente se escapa de uma casa ou a roupa estendida ao sol aqui e ali.

Sinopse

Seguimos as indicações do guia. Um homem pragmático que domina o nome das ruas e a cronologia das construções. Um homem que executa uma tarefa. Mas é uma voz feminina que nos faz verdadeiramente mergulhar no espaço que atravessamos. Uma mulher que recolhe impressões como se fossem pistas. Uma mulher que procura fazer uma cartografia do impreciso.
Aqui tudo cheira a passado, um passado que se vai desfazendo aos poucos, nem amado nem odiado, deixado ali a morrer como um parente idoso no quarto dos fundos. De vez um quando uma casa restaurada e com aspecto de valer muitos milhões no mercado imobiliário tenta contradizer-nos, diz-nos que alguém quer hoje viver ali. Mas rapidamente percebemos que não é ali que se quer viver, é atrás de um muro alto, num qualquer sétimo andar com vista para o mar. As ruas, essas, continuam desertas.

Percorremos essas ruas e é difícil acreditar que estamos em pleno Porto, Porto dos Shoppings um-maior-que-o-outro, Porto dos estádios para o EURO-2004. E no entanto, duas ou três ruas acima, mesmo ali ao lado, sem sabermos bem onde se deu a mudança, eis que aparece, essa cidade nova que avança e nos aponta o seu exército de gruas, e já estamos cercados por uma fiada ininterrupta de automóveis furiosos, e já as pessoas atravessam o espaço correndo, mesmo quando se arrastam de dores e cansaço.

Como podem persistir estas duas realidades lado a lado? Alguma terá de prevalecer; em breve precisaremos também desse bocadinho de espaço. Já não basta ignorar o passado e deixá-lo desvanecer-se ao ritmo do esquecimento - não temos tempo! - será necessário agir. A cidade nova estenderá mais um dos seus braços brancos e transformará a morte abandonada em vida amortalhada.

No centro desta nova cidade que cresce sem cessar, sentados numa das suas inúmeras rotundas, largos sem vida rodeados de movimento incessante, vemos o betão e o granito que ameaçam conquistar o último centímetro de terra e de memória e sentimo-nos infinitamente sós. Sentimo-nos infinitamente pequenos no meio do novo império que ajudamos diariamente a construir e que, como todos os outros, cairá pela sua arrogância.

Coma Profundo estreou no Porto, na Foz Velha, em 11 de Outubro de 2002, com a seguinte ficha artística e técnica:

definição e documentação geográfica
João Martins e Nuno Casimiro

direcção e dramaturgia
Ana Vitorino, Carlos Costa e Pedro Carreira

colaboração na dramaturgia
Nuno Casimiro

paisagem sonora e engenharia de som
João Martins
(Todos os temas compostos por João Martins excepto extractos do Segundo Concerto de Brandenburgo de J. S. Bach e da Valsa nº 10 de Frederic Chopin)

vozes
Ana Vitorino (ela) e Carlos Costa (guia)
e também as vozes de Pedro Carreira (voz rádio taxi e contador de histórias), Arsélio Martins (homem), Fernando Tavares (jornalista de rádio), Fernando Moreira (carpinteiro), Alzira Matos (mulher), Jorge Paupério (locutor), José Reis (professor), Catarina Antunes (rapariga 1), Cláudia Escaleira (rapariga 2), Carla Carvalho (jornalista de televisão), Ágata Fino, Alexandra Martins, Catarina Martins, Edgard Fernandes, Fernando Moura, Inês Ramos, João Martins, Jorge Marques, Manuela Lopes, Mariana Ricca, Nuno Casimiro, Paulo Lobo, Paulo Neves, Reinaldo Moura da Costa, Rosa Amélia Martins e Susana Monteiro (vozes na rotunda)

Versão Inglesa

tradução
Ana Vitorino e Carlos Costa (revista por Catarina Martins e Nick Redgrave)

vozes
Ana Vitorino (ela) e Carlos Costa (guia)
e também as vozes de Pedro Carreira (Voz rádio táxi e narração sobre Carpinteiro e sobre Jornalista da rádio), Arsélio Martins (homem), João Madeira (Contador de histórias), Thomas Scanlon (locutor) e Catarina Martins (narração sobre Jornalista da televisão)

grafitti
Marcolin/Ermit

projecto fotográfico
Paulo Pimenta

design gráfico
Vítor Azevedo/DeC

bilheteira
Luís Neves

produção executiva
Ágata Marques Fino

produção
Visões Úteis

Vídeo relacionado

Última modificação em Quinta, 01 Setembro 2011 15:13
Pág. 14 de 14

Recentes


O Visões Úteis é uma estrutura financiada

Ministério da CulturaDireção Geral das Artes

O Visões Úteis é membro

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes Cénicas IETM - International Network for Contemporary Performing Arts Anna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Sonoscopia - Associação Cultural e Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável