Visões Úteis

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Criações
Criações

Criações

Desde 1994, o Visões Úteis criou cerca de 40 espectáculos de teatro e criou também para outros suportes, designadamente audiowalks, pelo que apresentamos parte deste trabalho como Performance na Paisagem.

Scroll




Estreia: junho de 2019

“Scroll” é um inovador projeto que cruza artes performativas e novas tecnologias, e que questiona o próprio conceito e os limites do teatro (e o que significa ser espectador) num tempo marcado pela constante pluralidade de narrativas, pela constante dispersão da atenção e pelos enigmáticos desígnios dos algoritmos. Esta “peça para smartphones tem uma narrativa ficcional, atores de carne e osso e as ruas do Porto como cenário, mas é usufruída no ecrã de telemóvel do espectador, através de uma aplicação desenvolvida originalmente para o projeto.

 

O que acontece?

Num futuro não muito longínquo, uma empresa de distribuição de bens e serviços – com um modelo de negócio semelhante ao que hoje associamos a empresas como a Uber ou a Glovo – tem agora o monopólio da atividade e radicalizou algumas das práticas já existentes nos nossos dias. Os serviços já não se limitam ao transporte de pessoas, comidas e bens comerciais, podendo em breve estender-se à satisfação de qualquer necessidade do cliente. A precariedade dos trabalhadores é total: considerados “parceiros” da empresa, têm de submeter-se a uma distribuição dos serviços comandada por um algoritmo cujo funcionamento não entendem, e demonstrar total disponibilidade se quiserem manter ou aumentar as suas remunerações. O que parece a uns ser uma oportunidade para trabalhar com toda a liberdade, apresenta-se a outros como uma armadilha, uma exploração, uma ferramenta de isolamento que vira os trabalhadores uns contra os outros.


É neste quotidiano que encontramos as personagens de “Scroll”: trabalhadores/parceiros desta gigantesca multinacional, a trabalhar há pouco tempo no Porto, com atitudes muito diferentes em relação à atividade que desenvolvem. Até ao dia em que um cliente muito especial solicita um serviço inesperado… um bizarro pedido que ameaça a própria estrutura da empresa e empurra os trabalhadores para uma ação radical.

 

Como se processa?

O espectador descarrega gratuitamente a aplicação “Scroll”. Regista-se como utilizador da aplicação e é-lhe atribuída uma personagem: um trabalhador/parceiro da empresa de distribuição, cuja vida e trabalho poderá seguir ao longo de 15 dias, entre 3 e 17 de junho de 2019.
Através da aplicação, o espectador terá acesso ao stream vídeo das entregas desse trabalhador e à sua avaliação por parte dos clientes e da empresa, podendo até participar nessa avaliação, votando e comentando a prestação diária da “sua” personagem.

Mas, e porque a empresa insiste numa política de total transparência dos seus colaboradores, o espectador terá também acesso a um conjunto de conteúdos da esfera privada do trabalhador/parceiro, desde as atualizações das suas redes sociais, às conversas em Skype com a família, passando pelas notícias que lê ou as músicas que ouve. Todos os conteúdos são disponibilizados em “tempo real”, podendo o espectador ser notificado de todas as atualizações, mas ficam também guardados cronologicamente na aplicação, podendo ser acedidos mais tarde… basta fazer scroll!

Última modificação em Sexta, 12 Abril 2019 16:47

“Nunca mais foste o mesmo depois daquilo.
Nunca mais serás o mesmo depois disto.”

Com o "actor mais velho" Diogo Dória aprendemos como pode ser bom ouvir o silêncio e lançar palavras.
Há já muito tempo que desejávamos fazer Beckett com o seu universo de fantasmas que não encontram o seu sentido senão no vazio de um quarto, numa esquina de rua ou dentro do crânio de cada pessoa que os escuta.
Para nós foi um trabalho extremamente gratificante e fez-nos pensar: "Será que começamos a fazer sentido?"

Estreou a 9 de Abril de 1998 no Balleteatro Auditório no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Aveiro, Guarda, Covilhã, Lisboa e Coimbra num total de 23 apresentações.

textos
Samuel Beckett

tradução
Diogo Dória, Luís Miguel Cintra, Liberto Cruz e Miguel Serra Pereira

selecção, montagem de textos e encenação
Diogo Dória

cenografia, figurinos e grafismo
Eduardo Loio

confecção de figurinos
Armanda Neto

banda sonora e sonoplastia
Albrecht Loops

desenho de luz
Laia Oms

fotografia
Limamil

direcção de montagem
Laia Oms/Pedro Carreira

operação de luz
Laia Oms/Paulo Rodrigues

operação de som
Lucinda Gomes/Alexandra Lobato

registo vídeo
João Nuno Martins e Edgard Fernandes

interpretação
Ana Vitorino, Carlos Costa, Catarina Martins e Pedro Carreira

produção executiva
Lucinda Gomes

assistência de produção
Alexandra Lobato

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:09

"Locus Logro" - imagem: João Martins / entropiadesign
                                                                                                                                  design: João Martins / entropiadesign

 

Há um mistério pelas ruas de Campanhã ... venha resolvê-lo!

"Locus Logro", a primeira criação do Visões Úteis em 2016, propôs uma deambulação pela memória dos espaços e das populações de Campanhã, e em particular da Rua de Miraflor.

Uma divertida e imersiva experiência, eminentemente áudio e interativa, inspirada na estrutura dos romances policiais e nas características do clássico teatro radiofónico, cruzando-as com as histórias reais de locais e de habitantes desta zona do Porto.

A Galeria Mira Forum foi simultaneamente “Estação” de partida e de chegada, num percurso ao longo do qual o público era convidado a elaborar uma hipótese para explicar um desaparecimento.

Seguindo a pista de uma investigação policial ficcional, o público recebia um mapa onde estavam assinaladas outras “Estações” - espaços mais ou menos privados - que tinha de visitar e onde encontrava ambientes particulares, testemunhos gravados e um conjunto de pistas físicas. Elementos que tanto podiam ajudar a desvendar a "verdade", como confundir ainda mais.

"Locus Logro" envolveu a população local no próprio processo criativo, criando uma particular relação entre diversos espaços em torno da Rua de Miraflor, e entre estes e a Estação de Campanhã.

"Locus Logro" esteve disponível na Galeria Mira Forum - Rua de Miraflor, nº155 - na tarde de 28 de maio de 2016, ao longo de três horas, tratando-se de uma iniciativa de acesso Gratuito. Em julho de 2016 a criação foi adaptada à cidade de Abrantes e disponibilizada ao longo de uma semana no "180 Creative Camp".


LOCUS LOGRO de
Ana Vitorino, Carlos Costa e João Martins coprodução Visões Úteis, Mira Forum banda sonora original, sonoplastia e elementos gráficos João Martins coordenação de produção Marina Freitas interpretação Acúrcio Moniz, Ana Azevedo, Ana Vitorino, António Gonçalves, Beatriz Vilas Boas, Carlos Costa, Inês Barros, Inês Lopes, Irene Monteiro, João Lafuente, João Martins, João Mendonça, Leonor Quinta, Manuela Monteiro, Mariana Martins, Marina Freitas, Pedro Carreira, Pedro Marques e Tiago Moreira

Os textos manuscritos adaptaram excertos de “Torres em Transe” de Fernanda Carlos Borges.
As fotografias nas capas são de Manuela Matos Monteiro.
Os textos do Jornal de Notícias pertencem às edições referidas ou são ficções de Augusto Correia e Maria Cláudia Monteiro.
Todos os documentos utilizados são de acesso público.

“Locus Logro” inclui citações de: “Uma solidão demasiado ruidosa” de Bohumil Hrabal (versão de Ludmila Dismánova e Mário Gomes), “O Falcão de Malta” de Dashiell Hammett e “O Vale Encantado de Campanhã” do Projecto Pular a Cerca na Companhia do Rugby.

parceria Associação Recreativa Malmequeres de Noêda, BellyStudio, Porto d'Artes
apoio Jornal de Notícias
apoio à divulgação
Câmara Municipal do Porto, Metro do Porto, Associação Cultural e Desportiva Bairro do Falcão, Associação Movimento Terra Solta, Centro Cultural Atletismo de Bonjóia, Grupo Dramático do Monte Aventino

Vídeo relacionado

Última modificação em Sexta, 24 Fevereiro 2017 14:40

“Não vão precisar de trabalhar, vão ter só de representar, que não se pode dizer que seja trabalhar, é só dizer umas coisas.”

No fnal de 1997 quisemos contar uma história sem grandes mensagens, para toda a gente. Uma história simples, de pessoas simples, de pessoas isoladas, de pessoas que sonham, de sonhos que se concretizam, de anos, de solidão e com humor. Com o António Feio a encenar um texto de Martin McDonagh rimos, chorámos e falámos "Açoreano" na Ilha do Corvo onde nunca estivemos mas acerca da qual temos um imaginário fértil.
Nunca tínhamos simplesmente contado uma história.
Gostámos e um dia destes havemos de repetir, na atura certa, mesmo que outras mentes iluminadas achem que não devíamos fazer "essas coisas".

Estreou a 27 de Novembro de 1997 no Rivoli no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Estremoz num total de 15 apresentações.

texto
Martin McDonagh

tradução e adaptação
António Feio

encenação
António Feio

cenografia
Eduardo Loio

figurinos
Eduardo Loio

execução de figurinos
Armanda Neto

caracterização
Aurora Gaia

música
Albrecht Loops

desenho de luz
Laia Oms

fotografia
Limamil

concepção gráfica
Eduardo Loio

registo vídeo
João Nuno Martins

direcção de montagem
Laia Oms

operação de luz
Laia Oms

operação de som
Paulo Rodrigues/Lucinda Gomes

interpretação
Alexandra Lobato, Ana Vitorino, Anabela Mira, Carlos Costa, Catarina Martins, Fernando Moreira, Miguel Cabral, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

produção executiva
Lucinda Gomes

Última modificação em Segunda, 21 Junho 2010 16:09
Pág. 9 de 14

Disponível para Itinerância


O Visões Úteis é uma estrutura financiada

Ministério da CulturaDireção Geral das Artes

O Visões Úteis é membro

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes Cénicas IETM - International Network for Contemporary Performing Arts Anna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável