<
visões úteis >> orla do bosque >> a viagem | alfabeto | na estrada | sons da orla | notícias | imagens [ feedback ]
[ crónicas ] por Nuno Casimiro <<anterior | voltar ao alfabeto
[ 2 a 5 de Junho ]

O QUE FICA DO QUE PASSA

 

A despedida de Londres reserva-nos uma chuva mesquinha e um barco apinhado de crianças barulhentas até Calais. A chegada a Paris ao fim da tarde deixa-nos apenas o espaço suficiente para descansar. O passeio será a pé na luminosa manhã de Domingo, junto ao Sena, com a Paris de Miterrand como pano de fundo antes do encontro com Joseph Danan, escritor e professor de dramaturgia.
A conversa prolongar-se-á por quase três horas, ao longo dos caminhos da dramaturgia, cada vez mais longe dos heróis (reflexo da sociedade?). Ao contrário de Ramin Gray, Danan defende a existência de dramaturgos bem diferentes entre si, procurando caminhos novos em cada obra, abarcando vectores diferentes, mais ou menos locais, mais ou menos pessoais. Essencialmente, procurando uma redefinição do teatro.
Depois, a colonização americana e o desafio da preservação das identidades culturais sem que, para isso, seja necessário transformar a cozinha tradicional em curiosidade de museu. Sempre ponderado, viaja pelas mais importantes questões do mundo de hoje com o optimismo de quem acredita na inevitabilidade da mudança, apesar da ameaça sempre latente dos ódios xenófobos, mesmo depois do recuo da extrema direita em França.
Com o fim da tarde, descobrimos a cidade das luzes num pôr do Sol incendiando o Sena e no encontro acidental com um companheiro perdido nos tempos da faculdade. O mundo é realmente muito pequeno. E redondo.
Na manhã seguinte, o início do regresso, ainda com esperança de encontrar Emir Kusturica pelo caminho. À hora do lanche, Sergio, da cooperativa Edison, informa-nos que o realizador já regressou a Paris e não estará connosco. Fica o travo de desilusão a temperar o final da viagem.
Pernoitámos em San Sebastian, à luz do cubo de Moneo.
O regresso é lento, avesso a certezas. Procuramos agora as linhas que cosem a viagem, as línguas que a escrevem. O que fica do que passa.
Será o regresso possível. Ainda e sempre uma partida.

 

--
imagem © Visões Úteis
Paris

[ crónicas ] por Nuno Casimiro <<anterior | voltar ao alfabeto
visões úteis >> orla do bosque >> a viagem | alfabeto | na estrada | sons da orla | notícias | imagens [ feedback ]