Visões Úteis

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Works
Works

Works

Since 1994, Visões Úteis has produced more than 40 theatre plays and has also created for other media, namely audiowalks, that are presented here as works of Performance in Landscape.

“Proibida a entrada a quem não andar espantado de existir.”

Na nossa segunda produção teatral brincámos com os monstros debaixo da cama e fizemos cabanas. Fomos crianças de novo e deparámo-nos com questões que mesmo hoje, enquanto adultos, não somos capazes de responder: por que caminho vamos? O que é real e o que é ilusão? Que mundo queremos afinal? O que é mais belo?

A partir do texto homónimo de José Gomes Ferreira brincámos com os filhos e quisemos piscar o olho aos pais.

Estreou a 16 de Junho de 1995 no Teatro Sá da Bandeira no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Coimbra num total de 23 apresentações.

texto
José Gomes Ferreira

encenação
Nuno Cardoso

dramaturgia
Visões Úteis

preparação vocal
Cristina Faria

cenário e figurinos
Eduardo Loio e Nuno Cardoso

banda sonora original e sonoplastia
Albrecht Loops

desenho de luz
Nuno Cardoso

concepção gráfica
Eduardo Loio

fotografia
J. P. Lima

confecção de figurinos
Paula Ventura

operação de luz
Serafim Ribeiro/Nuno Cardoso

operação de som
Catarina Martins

interpretação
Alexandra Lobato, Ana Vitorino, Carlos Costa, Maria João Jorge e Pedro Carreira

produção executiva
Catarina Martins

Last modified on Monday, 21 June 2010 16:06

“Dove ti trovi?”

Faz de conta que isto é um jogo. Esta cidade construi-a eu. Só eu sei como se chama.
Tu andas por onde eu te disser. Quando chegares ao fim, descobres onde estás.

Um audiowalk em Parma

A relação do Visões Úteis com a cidade de Parma nasceu em 1997 quando, na sequência da selecção para representar Portugal na Bienal de Jovens Artistas da Europa e do Mediterrâneo, a companhia participou no festival de teatro “Anteprima”. Mais tarde, no ano de 2001, e na viagem que integrou o projecto “Visíveis na estrada através da orla do bosque”, Parma foi um ponto de paragem num itinerário físico que, antes de mais, traçava uma viagem de ideias e descobria pontos de contacto nas reflexões de uma diversidade de artistas e intelectuais do nosso continente.

Em ambas as ocasiões foram nossos interlocutores privilegiados os elementos da Fundação Cultural Edison; no primeiro encontro ainda a dar os primeiros passos, no segundo já com um trabalho firmado e diversificado na área da produção cultural, que incluía projectos com nomes grandes como Sebastião Salgado, Emir Kusturica ou Peter Greenaway.
E finalmente, em 2004 surgiu a oportunidade de transformar em colaboração esta empatia pessoal e artística que foi unindo o Visões Úteis à Edison (recentemente rebaptizada de Fundação Solares).

A criação, em co-produção, de um audio-walk original para a cidade de Parma foi o desafio comum. Um desafio que nos atraía especialmente pela especificidade de trabalhar numa cidade que não conhecíamos bem e numa língua que não era a nossa.

Para este trabalho a equipa do Visões Úteis permaneceu em Parma em regime de residência, durante os meses de Abril, Maio e Junho. Mas ainda antes de chegarmos à cidade tínhamos definido a linha dramatúrgica que distinguia essencialmente Errare da anterior experiência com Coma Profundo. O olhar sobre a cidade seria necessariamente um olhar estrangeiro, as impressões recolhidas (da arquitectura, da História, do ambiente deste lugar) seriam necessariamente superficiais. A posição social e politicamente crítica que adoptáramos em Coma Profundo ao reflectirmos sobre a nossa cidade não fazia sentido nesta experiência. Desenvolvemos assim uma narrativa ficcional, uma reflexão ainda sobre a relação entre o homem e o lugar, ainda sobre o lugar da memória, mas agora centrada numa evolução pessoal face a essa reflexão.

Do trabalho desenvolvido ao longo deste meses surgiu ainda um vídeo documental realizado por Michele Putorti - “Errare – Um audio-walk” que já foi exibido em alguns festivais e encontros vídeo.

Sinopse

Em Errare o espectador segue um caminho desenhado pela relação entre duas vozes, duas (id)entidades. A primeira é a de um homem que, ao perceber que começa a perder a memória, decide refugiar-se numa cidade estrangeira e vagabundear até desaparecer. A segunda é a do seu irmão mais novo, que não conhece a cidade e que tenta seguir seus os passos através de uma série de indicações imperfeitas que o irmão lhe deixou, assumindo o espectador como seu cúmplice.
O caminho percorrido parece não fazer sentido, mas a cidade estrangeira transforma-se no território onde se vai questionando o próprio processo de construção da memória.

Errare estreou em Parma, no centro da cidade, a 5 de Novembro de 2004, com a seguinte ficha artística e técnica:

direcção e dramaturgia
Ana Vitorino, Carlos Costa e Catarina Martins

paisagem sonora e engenharia de som
João Martins

co-dramaturgia
Nuno Casimiro

assistência aos textos em italiano
Francesca Tagliavini, Giorgia Rivoira, Laura Bianchoni, Maria Antónia Reis

vozes
Alberto Branca (Ele) e Claudio Guain (Irmão)
e também as vozes de Anastasio Ferrari (Homem velho), Reanda Cavalli (Mulher velha), Massimilano Di Liberto (Homem jovem), Giancarlo Ilari (Engenheiro), Velia Sicuri (Benita velha), Paola Crecchi (Benita jovem), Francesco Colla, Gianluca Zuin, Sergio Simonazzi (Prisioneiros), Pedro Carreira (Imigrante jovem), Francesca Tagliavini (Mulher ao telefone), Isabella Borettini (Funcionária do aeroporto), João Martins, Dalia Castagnetti, Laura Borrini, Roberto Tinelli, Filippo Battistella, Mario Ponzi, Stefano Caselli (Vozes na rua) e as crianças de “Villa Ghidini” (Sandro e os amigos)

Versão inglesa

tradução
Ana Vitorino e Catarina Martins

vozes
Carlos Costa (Ele) e Pedro Carreira (Irmão)
e também as vozes de João Madeira (Homem jovem), Edgard Fernandes (Engenheiro), Fernando Moreira (Imigrante Jovem), Catarina Martins (Mulher ao telefone), Siglinde Alberti (Funcionária do aeroporto) e Nick Redgrave (Estrangeiro na rua).

coordenação de produção
Sergio Simonazzi

coordenação de produção em Portugal
Pedro Carreira

Uma co-produção Visões Úteis/Fondazione Culturale Edison

Errare contém citações de entrevistas contidas nas obras "Ragazze dei borghi in tempo di guerra" de Marco Minardi e "Immigrazione e Convivenze nel quartiere Oltretorrente di Parma" de Marco Deriu e Vincenze Pellegrino e de um soneto de Fernando Pessoa contido na obra “Poemas Ingleses” (para a edição foi citada a tradução de Jorge de Sena, Edições Ática). A banda sonora contém registos de ensaios da Orquestra e Coro do Teatro Régio de Parma.

Projecto com a colaboração de Ufficio Informazione ed Accoglienza Turistica, Monasterio di S. Giovanni Evangelista e Libreria Battei.

Last modified on Thursday, 01 September 2011 15:19

Reclaim the Future - Exige o Futuro

 

"Reclaim the Future" is a 2 year European project that brings together partners from Sweden, Portugal, France, Scotland and Latvia. Inspired by the theme of the Carnivals and the change that they allow for, the project aims at giving voice to several european peripheries, finding ties bewtween arists and communties geographicaly distant from each other.

The “Reclaim the Future” event in Portugal, “Exige o Futuro”, was created by Visões Úteis in a coproduction with Porto’s City Council, through the “Expanding Culture” programme. It was inspired by the company’s long relationship with Porto’s area of Campanhã – the most eastern part of the city, and one that faces many economic and social challenges.

The Portuguese event, which happened on the 13th, 14th and 15th of july 2017,  aimed at giving public visibility to the work of agents, entities, collectives and associations of Campanhã, as well as to promote the meeting of these groups between themselves and with international groups and artists that develop similar work.

The first day was fully dedicated to a conference entitled “Of the same sort” held at MIRA Art Gallery. Artists, researchers and members of local communities gathered during the morning and afternoon to discuss the nature, purpose and results of art developed within a community context. The conference was simultaneously translated into English, to allow for the participation of all international partners.

Day 2 of the Portuguese event was divided into two activities:

“Europe is here” – a series of meetings between the international partners and local agents (artists, entities, associations) developing their projects in Campanhã area. The “matches” were made taking into consideration the similarity of interests and projects of both sides.

“Renewing the Piece” – the two plays exchanged between Visões Úteis and Swedish partner Teatermaskinen were publicly presented on this evening: Visões Úteis’s adapation of the Swedish show “C’est Tout”, based on a text by Marguerite Duras, and Teatermaskinen’s version of Visões Úteis’ original play “trans/mission” (presented in its English version).

And finally, on day 3, the central moment of the whole event took place – the “Unleashed Parade”! Created with and by the local communities during the previous months, the Parade was a two-hour long path across a public space, involving the participation of around 200 people living and/or working in Campanhã. A path filled with music, dance, theatre, space interventions, designed to highlight the different talents of all the participants, and recuperate the joy of meeting, and of sharing a common space.

In the year following this Carnival, a variety of activities included in “Exige o Futuro” will continue to be developed, such as a documentary video, a grant for community projects, a book, a Social Cartography workshop, among others.

 

Curadoria 

Carlos Costa

Direção da Parada Desatada 

Inês de Carvalho

Direção da versão portuguesa de “C’est Tout” 

João Martins

Codramaturgia da versão sueca de “trans/missão” 

Ana Vitorino

Direção da intervenção dos Bufões 

Rui Paixão

Conceção e Coordenação da conferência “Da mesma laia” 

Jorge Palinhos

Realização e Guião “10 Conversas com o Futuro” 

Nuno Santos

Realização, Captação de imagem e Edição “10 Conversas com o Futuro” 

Sara Allen

Realização, Captação de som e Edição “10 Conversas com o Futuro”

Alexandra Allen

Mediação com as comunidades

Márcia Andrade

Cartografia social

Pedro Rocha

Coordenação da participação do Serviço Educativo

Ana Azevedo

Coordenação de Produção e Produção Executiva

Teresa Camarinha

Direção técnica

José Diogo Cunha e Vasco Santos

Design gráfico

Cristóvão Carvalheiro

Assessoria de imprensa

Joana de Belém

Assistência de produção

Rosa Lopes Dias

Criação e Produção

Visões Úteis

 


Last modified on Thursday, 21 February 2019 13:49

“Lembras-te Claire?
Nós as duas… debaixo da árvore… os pés ao Sol?
Lembras-te Claire?”

Lembramo-nos muito bem! Porque foi o primeiro trabalho do Visões. Porque foi difícil. Porque era Genet. Porque valeu a pena e nos deu força para continuar. Porque jogámos nos opostos… que se tocam. Porque começávamos com flores e acabávamos com fogo. Porque descobrimos que éramos capazes.

Estreou a 27 de Janeiro de 1995 no Teatro Sá da Bandeira no Porto. Além do Porto, foi apresentada em Coimbra e Aveiro e em Parma e Turim (Itália) num total de 24 apresentações.

texto
Jean Genet

tradução
Luiza Neto Jorge

encenação
Paulo Lisboa

cenografia, grafismo e figurinos
Eduardo Loio

banda sonora original e sonoplastia
Albrecht Loops

desenho de luz
Eugénia Calado

fotografia
Susana Paiva

operação de luz
Maria Simões/Ana Vitorino

operação de som
Catarina Martins

montagem
Serafim Ribeiro e João Silva

preparação vocal
Cristina Faria

interpretação
Carlos Costa, Nuno Cardoso e Pedro Carreira

produção executiva
Catarina Martins

Last modified on Monday, 21 June 2010 16:06
Page 14 of 15

Visões Úteis is funded by

Secretário de Estado da CulturaDirectorate-General for the Arts (DGARTES)

Visões Úteis is a member of

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes CénicasIETM - International Network for Contemporary Performing ArtsAnna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável