Visões Úteis

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Associated Artists Performance in Landscape
Performance in Landscape

Performance in Landscape

“Opera fiXi” designa a ópera em bicicleta dirigida por Kaffe Matthews, e realizada para a cidade do Porto em colaboração com o

Visões Úteis e integrando a programação do "Serralves em Festa" 2013
.



Fala dum tempo e dum lugar em que os pescadores são mulheres e as sereias são homens. Em que os ‘sereios’ têm seios, cabelos de algas e tocam harpas feitas com linhas de pesca e as raparigas ‘pescadoras’ usam fatos de pele de peixe quando saem para o mar, cantando canções na frequência do coração humano (298.5Hz), convidando os peixes machos para as suas enormes redes tecidas com os seus cabelos e vinhas.
Os conteúdos de "Opera fiXi" inspiraram-se na pesca contemporânea, no rio Douro e na qualidade da sua água, na duração de uma jornada de pesca durante a noite e na poluição do rio que determina a taxa de mudança de sexo dos peixes.

O público dirigia-se à loja designada na Ribeira do Porto e era convidado a, gratuitamente, pedalar para ouvir a obra que se ia desdobrando ao longo da marginal do rio até ao farol, e de volta à loja. Um sistema único de localização identificava a posição do ciclista e as respetivas camadas de música de cada ponto do seu percurso.

O Visões Úteis colaborou com Kaffe Matthews na definição do percurso e da dramaturgia de "Opera fiXi", bem como na escrita das letras, na interpretação e na tradução de conteúdos entre português e inglês. Para além da equipa artística do Visões Úteis, "Opera fiXi" contou com a colaboração de um vasto leque de entidades, músicos e vozes.

O percurso de "Opera fiXi" tinha uma duração máxima aproximada de 1h30.

 

Opera fiXi:

Realizado com software baseado em localização desenvolvido por Dave Griffiths.

Bicicletas sónicas desenhadas por Kaffe Matthews e produzidas por timelab 2012.

Canções e música de Kaffe Matthews excepto as canções das ‘pescadoras’ que são adaptações de música tradicional portuguesa e escocesa.

Letras de Matthews, Carlos Costa e Ana Vitorino.


Vozes (por ordem)
:

Coro de raparigas 'pescadoras'/NEFUP – Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto): Cláudia Bastos, Helena Queirós, Márcia Santos, Paula Silva, Teresa Ruiz.

Coro da poluição/Instituto ORFF do Porto: Inês, João, Jorge, Luis, Manuel, Leonor, Vicente, Daniel.

Avatar: Ana Vitorino

Data Rapper: Nuno Moura

Coro de ‘pescadoras’/ Grupo Coral da Afurada: Rosa Maria, Maria José, Maria de Fátima, Fátima Ferreirinha, Sara Moreira, Emília Alda.

Capitão: Rui Rodrigues

Seis peixes machos: Carlos Costa, João Martins, Arsélio Martins, Pedro Carreira, Emanuel Costa, Vitorino Neves

Rapper: André Neves

Amantes: Fátima Almeida, Mário Moutinho

Poeta de rua: Adolfo Luxúria Canibal


Músicos:

Angelica Vázquez Salvi: harpa

João Martins: saxofones soprano e baixo, ‘laptop’ acústico

Kaffe Matthews: processamento electroacústico, contratear e gravações de campo.

Arranjos adicionais nos raps: Pedro Augusto


Tradutores: Ana Vitorino, Carlos Costa, João Martins


Agradecimentos
: Gustavo e Patrícia: Sonoscopia, Mário Azevedo, Pedro Vieira, Ricardo Rodrigues, Ricardo Organista, Ana Coutinho, Henrique Fernandes, João Vitorino, Alzira Matos, Senhor Domingos


Produção: Fundação de Serralves

 

"Opera fiXi" estreou no Porto (Ribeira) a 25 de maio de 2013, integrando a programação do "Serralves em Festa" 2013. Esteve disponível ao público até 23 de junho.

Last modified on Friday, 03 January 2014 16:49

"Há dias em que, ao entrar pelo lado da sacristia, não consegue evitar a impressão de que os santos se moveram durante a noite."

O Visões Úteis é parceiro artístico do projecto "Viagens com Alma", promovido pela Diocese do Porto, no âmbito do qual criou e produziu um conjunto de trabalhos artisticos, nos quais se incluem estes audio-walks.


Os quatro mini audio-walks que integram o projecto Viagens com Alma, abriram ao público a 23 de Maio de 2011 nas localidades de Cête, Vairão, Paço de Sousa e Santo Tirso. Quatro percursos que cruzam a ficção com a arquitectura e o espírito de quatro mosteiros do Distrito do Porto, e que espelham diferentes relações entre o imaterial - a devoção humana -  e o material - os lugares, objectos e rituais que concretizam essa devoção.

Inspirados na experiência do projecto A Língua das Pedras, que desenvolvemos em 2010 para a comemoração dos 1100 anos da Ordem de Cluny, estes audio-walks foram ainda acompanhados de instalações e intervenções plásticas que sublinhavam a ligação entre este património local e a rede europeia de monumentos e sítios cluniacenses.

À semelhança de projetos anteriores, o realizador italiano Michele Putortì realizou uma leitura vídeo da experiência destes quatro audio-walks.

Os audio-walks "Viagens com Alma" estrearam a 23 de Maio de 2011 e mantiveram-se disponíveis ao público em Cête e Santo Tirso até ao final do mês de Julho, em Vairão até ao final de Agosto e em Paço de Sousa até ao final de Setembro de 2011.

Mosteiro de São Pedro de Cête
Largo do Mosteiro, Cête, concelho de Paredes
Coordenadas GPS: 41° 10' 50.790" N / 8° 22' 0.456" O

Mosteiro de São Salvador de Paço de Sousa
Largo do Mosteiro, Paço de Sousa, concelho de Penafiel
Coordenadas GPS: 41° 9' 57.398" N / 8° 20' 41.085" O

Mosteiro de São Salvador de Vairão
Largo do Mosteiro, Vairão, concelho de Vila do Conde
Coordenadas GPS: 41º 19' 58.25" N; 8º 40' 12.02" O

Mosteiro de Santo Tirso de Riba d’Ave
Largo Abade Pedrosa, Santo Tirso
Coordenadas GPS: 41° 20' 42.04" N / 8° 28' 18.03" O


Viagens com Alma - Audio-walks
39ª Criação Visões Úteis

Direcção e Texto
Ana Vitorino e Carlos Costa

Investigação e Colaboração na Dramaturgia
Ana Silveira Ferreira

Colaboração na escrita
Nuno Casimiro

Paisagem Sonora e Engenharia de Som
João Martins

Intervenções plásticas no percurso
Inês de Carvalho

Interface Digital
João Martins/entropiadesign

Vídeo
Michele Putortì

citações de Kaváfis e Yeats em versão de Maria Helena Guimarães

Interpretação
Adelaide Teixeira, Alice Costa, Ana Luisa Azevedo, Ana Vitorino, Bárbara de Sá, Carlos Costa, Leandro Havelda, Lígia Roque, Luis Ribeiro, Manuel Tur, Marina Freitas, Miguel Rosas, Pedro Carreira, Thomas Scanlon, Valdemar Santos

Coordenação Financeira
Pedro Carreira

Coordenação Técnica
Luís Ribeiro

Produção Executiva
Joana Neto

Assistência de Produção
Helena Madeira

Grafismo
entropiadesign a partir de imagem de Manufactura Independente

Produção
Visões Úteis para o Departamento de Bens Culturais da Diocese do Porto


Classificação Etária – M12
Duração - aprox. 25 minutos cada percurso

Last modified on Tuesday, 07 June 2016 16:28
From September 2009 to September 2010, the town of Cluny (France) commemorated 1100 years of it’s establishment through a year long event that invited citizens of all Europe to a series of activities in Cluny and partnering cities.

Visões Úteis was invited by the Fédération des Sites Clunisiens to create a multidisciplinary installation which opened in Cluny in September 2010 during the event “Toute l’Europe à Cluny”. This installation integrated contributions of 15 local partners from cluniac sites in 4 countries that the team had previously visited.

Cluny’s past influence in the cultural, political, geographical and spiritual areas was crucial to the definition of the very idea of Europe, and the dilemmas of the Order of Cluny mirror the ones of today’s European Union – how to maintain unity when territory expands, how to enforce a set of rules in a diversity of cultures, how to conciliate the cultural and spiritual aspects with material needs. This parallel, and the importance of the immaterial heritage beyond the stones of the remaining patrimony, were the project’s main themes.

The installation The Language of Stones ran from the 7th to the 12th of September 2010, having received more than 700 spectactors from all nationalities.

 

THE LANGUAGE OF STONES

37th creation from Visões Úteis

 

A co-production by Visões Úteis / Cluny 2010 : Ville de Cluny and Fédération des sites Clunisiens

 

Directed by 

Ana Vitorino e Carlos Costa

 

Digital Installation 

entropiadesign/ João Martins with Illustration and Animations by João Tiago Fernandes, Acting by Diogo Dória, Photos by Paulo Pimenta, Viideo Editing by Alexandre Araújo

 

Plastic Installation and Interventions 

Inês de Carvalho with Construction Assistance by de Daniel Teixeira

 

Video Installation

Michele Putortì with Acting by Ana Vitorino e Carlos Costa

 

Original Music and Sound Design 

João Martins

 

Translation

Maria Antónia Reis

 

Tecnhical Coordination

Luis Ribeiro

 

Technical Assistance

Romaric Bute (Cluny 2010 / Association Paille à son)

 

Executive Producers

Joana Neto / Mélanie Garziglia (Cluny 2010)

 

Production Assistant

Helena Madeira

 

Graphic Design

entropiadesign based on an image by Ricardo Lafuente

 

Production

Visões Úteis / Cluny 2010

 

Last modified on Wednesday, 25 January 2012 17:27

“Aos primeiros raios de sol, o homem riscou na terra um quadrado perfeito e começou a escavar.”

“Os ossos de que é feita a pedra” é um audiowalk criado para as instalações da Cidade da Cultura da Galiza em Santiago de Compostela, a convite da Fundácion Cidade da Cultura de Galícia (organismo criado e tutelado pela Xunta de Galicia).

Sinopse

A Cidade da Cultura da Galiza, instalada no Monte Gaiás em Santiago de Compostela, é um complexo arquitectónico desenhado por Peter Eisenmann com o intuito de albergar um conjunto de instalações dedicadas à arte e à preservação da memória daquela região: Museu Nacional, Arquivo e Biblioteca, Teatro, Centro de Arte Internacional. O processo de construção iniciou-se há mais de uma década e não está ainda concluído.
No decorrer de todo este tempo a Cidade da Cultura tem, no entanto, sido local de visitas frequentes de todas as nacionalidades (populações escolares, arquitectos, estudiosos, imprensa, etc) e foi com o objectivo de disponibilizar a este público uma visita que ultrapassasse os aspectos meramente técnicos que surgiu o convite ao Visões Úteis para a realização deste audiowalk.

“Os ossos de que é feita a pedra” leva um grupo de espectadores através de uma cidade artificial, ainda vazia de vida, mergulhando-os num ambiente que reflecte simultaneamente os futuros conteúdos da cidade e a imensidão do gesto implicado na sua construção.



“Os ossos de que é feita a pedra”
33ª criação Visões Úteis

texto e direcção
Ana Vitorino, Carlos Costa e Catarina Martins

paisagem sonora e engenharia de som
João Martins

intervenções plásticas
Inês de Carvalho

colaboração na escrita
Nuno Casimiro

interpretação
José Barato, María Bouzas e Rocío González

produção
Xunta de Galicia e Fundación Cidade da Cultura


Related Video

Last modified on Monday, 08 November 2010 13:06
Page 2 of 3

Visões Úteis is funded by

Secretário de Estado da CulturaDirectorate-General for the Arts (DGARTES)

Visões Úteis is a member of

Plateia - Associação dos Profissionais das Artes CénicasIETM - International Network for Contemporary Performing ArtsAnna Lindh Foundation

Visões Úteis é associado

Associação dos Amigos do Teatro da Liberdade da Palestina - The Freedom Theatre e ZERO - Associação Sistema Terreste Sustentável